14/02/09

CORUJA DE ORELHA




As características e os hábitos das corujas
Um animal tímido e discreto, mas que na hora da caça sabe usar toda a esperteza dos grandes predadores. A coruja tem hábitos predominantemente noturnos. No Brasil, existem 23 espécies, dez podem ser encontradas no DF. Entre elas, a murucututu, o mocho diabo, a coruja de orelha, a suindara ou de igreja e a mais comum, a buraqueira, que também tem hábitos diurnos e que tem esse nome porque faz o ninho em buracos no chão.

De visão extremamente aguçada, nada escapa aos olhos da Coruja. Além disso, ela tem a rara capacidade de girar a cabeça em até 270º.

“Ao contrario do que a maioria das pessoas pensam, a coruja enxerga tanto de dia como a noite”, conta Sergei Filho, biólogo.

Mas são os ouvidos atentos que permitem à coruja capturar as presas. A cabeça em forma de concha acústica funciona como receptora de sinais sonoros. Por isso, nenhum movimento passa despercebido.
A coruja raramente toma banho, mas não porque não gosta. Por ter uma plumagem bastante densa, o peso da água pode impedir a ave de voar.

A menor espécie de coruja mede apenas 17 cm. A maior chega a 51 cm. E a alimentação também é variada.

“Elas caçam roedores, insetos, caçam durante o dia, mas a principal função da coruja funciona como controlador de praga, como roedores, insetos e outros espécies”, explica o biólogo.

Durante muito tempo a coruja foi injustamente acusada de ser o símbolo do mau agouro. Mas isso não passava de mito. Na Grécia Antiga, por exemplo, a ave representava a sabedoria. Tanto que era associada à deusa Atena. E até as moedas eram cunhadas com a imagem da coruja.

E sabedoria parece ser mesmo uma das armas desse animal. Na hora de conquistar a fêmea, o macho já chega com uma presa nas garras. Se ela aceitar o presente é a certeza de que uma nova família de corujas vem por aí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário