15/06/09

PAPAGAIO


Papagaio
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Nota: Para outros significados de Papagaio, ver Papagaio (desambiguação).
Papagaio

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Psitaciformes
Família: Psittacidae

Alguns gêneros

Amazona
Cyanoliseus
Eos
Psittacus


O papagaio é uma das muitas aves pertencentes à ordem dos Psitaciformes, família Psittacidae; vivem cerca de 100 anos e tem apenas 3 filhotes durante sua vida. Os papagaios têm como característica um bico curvo e penas de várias cores, variando muito entre as diferentes espécies. Alguns papagaios são capazes de imitar sons e, inclusive, a fala humana. A família Psittacidae inclui também as araras, piriquitos e maracanãs, jandaias, piriquitões e apuins.

[editar]
Algumas espécies
Gênero Amazona
Papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva)
Papagaio-de-hispaniola (Amazona ventralis)
Papagaio-de-porto-rico‎ (Amazona vittata)
Papagaio-de-santa-lúcia (Amazona versicolor)
Papagaio-de-são-vicente (Amazona guildingii)
Papagaio-de-peito-roxo (Amazona vinacea)
Papagaio-do-mangue (Amazona amazonica)
Papagaio-galego (Amazona xanthops): provavelmente extinto no estado de São Paulo
Papagaio-charão (Amazona pretei)
Papagaio-grego (Amazona amazonica)
Papagaio-de-cara-roxa (Amazona brasiliensis)
Papagaio-moleiro (Amazona farinosa)
Phauã (Amazona rhodocorytha)
Gênero Cyanoliseus
Papagaio-da-patagónia (Cyanoliseus patagonus)
Gênero Eos
Papagaio-escarlate (Eos bornea)
Gênero Psittacus
Papagaio-cinzento (Psittacus erithacus)

CALOPSITA


Origem

Originária da Austrália, é um Psitacídeo da família das Cacatuas. Na natureza alimenta-se de sementes, além de frutos e insetos. Diferentemente dos outros Psitacídeos que preferem o topo das árvores, costuma alimentar-se no chão. Descrita cientificamente pela primeira vez em 1792, a Calopsita começou a fazer parte dos aviários europeus apenas em 1884 e teve maior expansão a partir de 1949 com o surgimento da primeira mutação, a Arlequim, na Califórnia.


SUGESTÕES

Calopsitas

Casal de Calopsita + viveiro
Produtos indicados

Bolsa para transporte

Gaiola Playground

Playground grande

Gaiola para 3 aves

Gaiola




Características

Com sua beleza exótica destacada pela crista ereta, a Calopsita ornamenta o ambiente onde está. Torna-se ainda mais atraente por seu tamanho médio, de cerca de 30cm, e grande diversidade de cores. Permite compor viveiros com diversidades de espécies, uma característica restrita à maioria das aves, aceitando com o seu temperamento pacífico também o convívio com pássaros menores. As qualidades vão além. Não incomoda a vizinhança por não ser barulhenta e pode nos trazer alegrias adicionais, aprendendo a falar e assobiar. É ainda fácil de criar, pois come pouco, reproduz-se com facilidade e não é destruidora, além de viver bastante, em média 20 anos.

É uma ave muito fácil de criar e por isso é recomendada para iniciantes e para quem quer ter pouco trabalho. É resistente à doenças. São aves fortes, que raramente adoecem. Com tanta saúde, a Calopsita vive muito e comumente morre de velhice.

Outra facilidade dessa ave é a procriação. Por ser criada há muito tempo em cativeiro, a Calopsita já está predisposta a reproduzir fora do ambiente natural sem grandes exigências. Não que a Calopsita dispense todas e quaisquer exigências para acasalar e botar ovos, mas as poucas de que precisa além de serem simples já são conhecidas, eficientes e estão divulgadas em literatura.

O fato de o macho e a fêmea diferirem fisicamente na maioria das mutações auxilia muito quando se pretende formar um casal. A Calopsita também é uma ótima mãe. Não é daquelas que rejeitam chocar os ovos ou cuidar dos filhotes e acabam por transferir ao dono parte das tarefas da maternidade. Muito pelo contrário.

Até na dieta a Calopsita simplifica a vida dos donos e criadores. É composta principalmente por ração e sementes, que se encontram com facilidade nas lojas, e os complementos são comuns, como frutas e verduras.

Diferenças entre machos e fêmeas

Padrão Normal: Macho tem cabeça amarela e crista amarelo mais forte.
Padrão Canela: Macho mais escuro.
Padrão Pérola: O macho maduro perde quase totalmente o perolado.
Padrão Lutino: Macho não tem estrias amarelas na face inferior da cauda.
Padrão Cara Branca: Macho tem cabeça branca.
Padrão Arlequim: Macho não tem listras e nem estrias amarelas na cauda.
Padrão Fulvo: É um dos padrões em que é mais difícil notar o dimorfismo. Via de regra, a fêmea tem cores mais brilhantes.
Padrão Cara Amarela: A principal diferença é o amarelo da bochecha, que é mais forte no macho.
Padrão Prata: Diferencia-se da mesma forma que o padrão normal.

Originária da Austrália, na natureza a Calopsita é cinza com as bordas das asas brancas, bochechas vermelhas, crista amarelo – acinzentado nas fêmeas e amarelo nos machos, que também apresenta a cabeça dessa cor. É o que os criadores chamam de padrão silvestre ou normal. Quando surgem aves mutantes na natureza, ostentando outras combinações de cores, dificilmente sobrevivem. Elas são vítimas mais fáceis de predadores, pois a coloração diferente ganha destaque e colabora para uma visualização mais rápida da ave. A partir do padrão silvestre, a criação selecionada fixou diversos padrões e também muitas variedades que se caracterizam pela mescla de padrões distintos.

Padrão Canela: Parecido com o padrão Normal, mas difere na cor do corpo, que é marrom em vez de cinza, e na tonalidade mais clara das pernas e dos olhos.

Padrão Pérola: De forma geral, apresenta na cabeça duas manchas vermelhas laterais, as faces são amarelo salpicado de cinza, a crista amarela é riscada de cinza, as penas das costas podem variar do branco ao amarelo. As penas das asas são cinza com faixas amarelas. A cauda é amarela, o peito e a barriga, listrados de amarelo e cinza.

Padrão Lutino: O branco predomina no corpo. Os olhos são vermelhos, os pés rosados, a crista amarela, o bico marfim, a cabeça amarelada com bochechas vermelhas. Nas asas e na cauda também há um pouco de amarelo.

Padrão Arlequim: Padrão bem variável, pode ser parecido ao padrão normal ou até apresentar pouquíssimo cinza e, sim, o amarelo – claro. A cabeça é amarelo – forte, bochechas vermelhas e crista amarela.

Padrão Cara Branca: As cores dominantes são o cinza – escuro, o preto e o branco. O macho tem cabeça branca, crista cinza e bordas das asas brancas. A fêmea tem o corpo cinza, bordas das asas brancas e face interior da cauda com estrias pretas e brancas.

Padrão Fulvo: Semelhante ao padrão canela. A cor predominante no corpo é o canela – pálido com manchas de amarelo – suave e com a face amarelo forte. Os olhos são vermelhos.

Padrão Prata: Há duas formas distintas. A chamada recessiva e a dominante. Na recessiva, os olhos são vermelhos e o cinza do corpo é prateado. As demais características são iguais à do padrão normal. Na dominante o tom do corpo é prateado – pastel. Os olhos são pretos, as pernas cinzas e as faces e a crista são amarelo-forte.

Padrão Cara Amarela: Ainda não há notícia de sua existência no Brasil. É muito semelhante ao padrão silvestre. A principal diferença é a cor da bochecha. Em vez de ser vermelha é amarela.

07/06/09

PERSONATA


PERSONATAS




É uma das quatro espécies que apresenta um aro branco em volta dos olhos ( personata, fischers, lilianae e nigrigenis) e é também conhecida por “Black” devido á sua cabeça ser preta.. Mede aproximadamente 16 cm e pesa de 48 a 55g, sendo que as fêmeas são sempre maiores que os machos. Não apresenta dimorfismo sexual e é a segunda espécie de agapornis em maior número no mundo.

A criação de personatas é um pouco mais difícil que os roseicollis , mas sem problemas de maior. Os personatas são a espécie de agapornis que constrói o ninho de forma mais elaborada, fazendo ninhos cobertos com material carregado pela fêmea no bico.

A postura é de 4 a 5 ovos, podendo chegar aos 8, e o período de incubação é de 22 dias. Os filhotes abandonam o ninho com 5 a 6 semanas de vida.


Mutações

Dominantes – Slaty

Parcialmente dominantes – Violeta e Factor Escuro.

Recessivas – Azul, Ino (lutino/ Albino), Fallow, Arlequim e diluído

05/06/09

PIRIQUITO AUSTRALIANO



O periquito-australiano ou periquito-comum (Melopsittacus undulatus) é uma espécie de ave psitaciforme pertencente à família Psittacidae. É um animal de estimação muito popular. Apesar do nome popular, o periquito-australiano, é mais próximo dos papagaios do que do grupo dos periquitos.

Os periquitos-australianos são aves pequenas, com uma envergadura média de 18 cm. Em cativeiro, têm uma esperança média de vida de 12 anos.

Na Natureza, o periquito-australiano ocorre nas zonas interiores da Austrália, habitando em zonas áridas. A plumagem natural da espécie é em tons de verde. As penas das costas e zona superior das asas são pretas, bordejadas a amarelo. A zona da face é amarela. O macho tem a carúncula (saliência acima do bico) azul, enquanto que a da fêmea é em tom castanho. Em cativeiro, foram desenvolvidas outras colorações artificiais, sendo as mais conhecidas em tons de azul, ou totalmente brancas. Os periquitos-australianos selvagens são menores que os criados em cativeiro.

Os periquitos-australianos alimentam-se quase exclusivamente de sementes de gramíneas, quando em estado natural. Em cativeiro, a dieta é complementada com verduras, frutas, farinhadas e outros complementos alimentares.Verduras:chicória molhada,espinafre;já frutas:banana,laranja .Não dê de maneira nenhuma abacate e semente de maça,pois contém substâncias nocivas para a saúde dos periquitos-australianos.

Os periquitos-australianos são uma das duas únicas espécies de aves psitaciformes verdadeiramente domesticadas pelo homem (a outra é o inseparável-de-faces-rosadas). A espécie é alvo de selecção artificial e reprodução em cativeiro desde a década de 1850. Os periquitos-australianos podem aprender a falar. A ave doméstica registada com o maior vocabulário foi um periquito-australiano chamado Puck

31/05/09

PASSARO PRETO DO BREJO OU CHOPIM DO BREJO


É um pássaro de canto melodioso, que é um assobiar forte, sua coloração pardo-anegrada, com dorso um pouco oliváceo, barriga amarela e bico preto e pontiagudo, tornão fácil sua identificação.
Fonte: pesc





Nome Vulgar: PÁSSARO PRETO DO BREJO OU CHOPIM DO BREJO
Nome Científico: Pseudoleistes guirahuro
Família: Icterídae
Peso: 60 a 70 g
Tamanho: 24 a 27 cm

Descrição: É um pássaro de canto melodioso, que é um assobiar forte, sua coloração pardo-anegrada, com dorso um pouco oliváceo, barriga amarela e bico preto e pontiagudo, tornão fácil sua identificação. Tece seus ninhos com perfeição em forma de cesta aberta, criando de dois a três filhotes. Alimenta-se de grãos e sementes que encontra nos brejos. Quando o bando muda para outro local, costumam cantar em vôo. Vivem nos brejos, na várzea com capim alto, quase sempre em bandos. Ocorre no sul do Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal e Rio de Janeiro, no Estado de Minas Gerais são facilmente encontrados em gaiolas, devido a grande apreciação de seu canto.